BOLETIM 47/2022 - 30/04/2022

Boa noite,

Apesar de não ter escrito por aqui, certamente todos aqueles que nos acompanham saberão que o PÁGINA UM tem publicado diariamente, e muito.

Peço desculpa por não vir aqui tantas vezes quantas aquelas que deveria para vos revelar as novidades. Em todo o caso, na próxima quinta-feira irei dinamizar um novo Encontro Zoom e, desta vez, excepcionalmente aberta a mais leitores.

Gostaria, no entanto, de vos dar hoje uma grande novidade.  

Como saberão, a génese do PÁGINA UM foi fruto de um desafio, em Outubro do ano passado: saber se seria possível confiar-se num antigo jornalista – “inactivo” durante uma década e sem rede de influências, mesmo tendo passado por alguns dos mais importantes órgãos de comunicação social – para sozinho, ou praticamente sozinho, “refundar” a imagem do jornalismo como um dos pilares da democracia em Portugal.

Poderia – e poderá – ser presunção considerar que um só jornalista, um só jornal, ainda mais se um grupo económico na sua base, tenha capacidade para mudar alguma coisa.

Porém, algo que a pandemia veio confirmar nos últimos dois anos, foi a crise estrutural – de preparação, de valores, de ética – da comunicação mainstream em Portugal. E não apenas em Portugal. E, nessa medida, sempre acreditei que, perante este “estado de coisas”, seria possível uma só pessoa fazer a diferença.

Porém, quando se diz que uma só pessoa pode fazer a diferença, fica subentendido que a sua acção pressupõe mais acções (ou reacções).

E o PÁGINA UM tem sido isso: um fluxo de acções e reacções.

Em 21 de Dezembro, cerca de dois meses após esse apelo de Outubro, o PÁGINA UM nasceu como jornal digital registado como jornal digital na Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Tinha já uma pequena redacção e sede em pleno Bairro Alto, começava a levantar muitos assuntos incómodos e a escrever sem temores nem reverências.

E sobretudo tinha, tem e terá no seu ADN a “sequência genética” de uma independência inquestionável: um jornal sem publicidade, sem parcerias comerciais e apenas dependente dos apoios pontuais ou regulares dos seus leitores.

Em quatro meses de existência, o PÁGINA UM tem tentado demonstrar que é um jornal diferente, incomodativo, intransigente na defesa dos valores democráticos e da transparência. Não tememos incomodar.

E, por esses motivos, temos feito exigências de informação que outros órgãos de comunicação social não arriscam fazer (porque perderam os seus valores).

Por esses motivos, temos agora – e muito graças aos leitores – uma linha estratégica de obtenção de informação através dos processos de intimação no Tribunal Administração, recorrendo ao FUNDO JURÍDICO financiado por apoiantes individuais.

Começámos logo com um processo contra o Conselho Superior da Magistratura para mostrarmos que confiamos na Justiça, mas sabendo que os mecanismos da Justiça devem também ser escrutinados numa democracia. E seguimos com outro sobre o Infarmed. E haverá mais, incluindo a Direcção-Geral da Saúde, um caso crónico e doentio de intolerável falta de transparência.

E sabemos que seremos atacados por essa independência, como já sucedeu. E como vai suceder ainda mais.

Para o crescimento e consolidação do PÁGINA UM – para que consiga dar um salto qualitativo e quantitativo, assente nos seus princípios de “jornalismo independente dependente dos leitores” – foi decidido que seria mais adequado constituir uma estrutura minimamente profissional para o jornal, mas cumprindo o Código de Princípios que então assumi perante os leitores e apoiantes: “até Junho de 2022, e tendo em consideração a sua evolução, comprometo-me a definir um modelo mais empresarial para o PÁGINA UM. Caso a solução encontrada seja a constituição de uma empresa, em nenhuma circunstância terei uma posição minoritária. A minha posição dominante no PÁGINA UM é um bem inalienável.”

Ontem foi dado esse passo.

O PÁGINA UM passará, no futuro, a ser gerido por uma pequena empresa denominada PÁGINA UM, Lda., com um capital social de 10.000 euros, e que me terá como sócio maioritário (70%). Os outros 30% do capital social estão distribuídos por Bartolomeu Costa Macedo (10%) Rita Pinto Coelho de Aguiar (10%), Luís Gomes (5%) e Nuno André (5%).

Luís Gomes é um dos colunistas habituais do PÁGINA UM.

Nuno André é um dos jornalistas “residentes” do PÁGINA UM, e no qual podem esperar, muito em breve, interessantes novidades.

O Bartolomeu e a Rita são duas das pessoas que acolheram o PÁGINA UM desde o seu início, ainda como projecto embrionário, permitindo que pudesse ter um espaço físico para a sua consolidação em pleno coração de Lisboa.

No futuro entrarão novos sócios, sempre com posições simbólicas, e uma garantia: enquanto eu estiver a dinamizar o PÁGINA UM, serei o seu sócio maioritário, como um pilar do desafio inicial de Outubro de 2021. Não esquecerei as circunstâncias do nascimento deste projecto nem os apoios que me foram concedidos.

Apesar da criação desta estrutura empresarial do PÁGINA UM continuará a viver do apoio dos seus leitores, mais ainda pela abertura das notícias mesmo para quem não o apoie.

Mas isso vai exigir um esforço suplementar dos leitores que desejam um jornalismo independente.

Neste momento, os recursos financeiros do PÁGINA UM são extremamente escassos, e não permitem mais do que até agora, e com um esforço pessoal que dificilmente tem sustentabilidade no futuro neste nível de exigência.

Contamos, por isso, agora que teremos uma estrutura mais dinâmica, que os apoiantes do PÁGINA UM vejam no jornal uma aposta num projecto (ainda mais) sério, credível, consolidado mas também com os meios financeiros que lhe permita um desafogo para mais e novas lutas.

O nosso lema é e será sempre “PÁGINA UM: o jornalismo independente DEPENDE dos leitores”.

E isto para nós, para mim, significa que se o PÁGINA UM deixar de poder depender apenas dos leitores, porque não há um número suficiente, então preferiremos desaparecer. Ou, pelo menos, eu decidirei sair do projecto.

Pedro Almeida Vieira, director do PÁGINA UM e sócio maioritário da PÁGINA UM, Lda.

Nota: Quando diversos trâmites burocráticos forem concluídos, será publicada a escritura do PÁGINA UM; Lda.. Em todo o caso, esta alteração obrigará, dentro dos prazos estabelecidos, a alterar o registo do PÁGINA UM na ERC, o que implicará posteriormente o cumprimentos de normas mais rígidas do que aqueles que existiam para um projecto editorial em nome individual.

---------------------

APOIE O CRESCIMENTO E CONSOLIDAÇÃO DO PÁGINA UM

O jornalismo independente DEPENDE dos leitores.

Para apoio ao FUNDO JURÍDICO do PÁGINA UM, pode fazer os donativos para a plataforma do MightyCause, aqui: https://www.mightycause.com/story/90n0ff

Para donativos/apoios regulares, siga o link no final dos artigos do PÁGINA UM, ou clique aqui: https://steadyhq.com/pt/paginaum

Pode ainda conceder o seu apoio pontual através das plataformas de crowdfunding:

Mighty Cause: https://www.mightycause.com/story/Paginaum

ou, para outras formas, contactar através do e-mail geral@paginaum.pt

Apenas os membros que têm acesso a esta publicação podem ler e escrever comentários.